3º Fórum Sesc de Desenvolvimento Sustentável tratou do uso de resíduos

591

Nesta quinta-feira (09/11) aconteceu o 3º Fórum Sesc de Desenvolvimento Sustentável, integrando a programação da Semana Interna de Prevenção de Acidentes, realizada no teatro Prosa do Sesc Horto.

Destacando o uso de resíduos, o Fórum reuniu três especialistas que além de apresentar suas vertentes de trabalho, orientaram os participantes sobre destinação correta e execução da legislação na empresa.

Abrindo a programação o mestre na área de Saneamento Ambiental e Recursos Hídricos, Hugo Suekame, apresentou alguns dados sobre o consumo e descarte dos resíduos gerados pela população, mostrando que o Brasil, mesmo não sendo um país desenvolvido, gerou 78,3 milhões de toneladas em 2016, e em Mato Grosso do Sul foram mais de 2.600 toneladas por ano, o que representa 0,72 kg por habitantes diariamente. “Considerando que o volume é alto, precisamos sensibilizar a sociedade quanto a redução na geração e separação dos resíduos, reciclagem ou reutilização e o descarte correto, e o poder público não pode esquecer o seu papel de investir na coleta seletiva, intensificando a reciclagem junto com as cooperativas, e assim conseguir um volume maior, além de dispor em aterro sanitário apenas os rejeitos”, afirmou Hugo.

O gerente do Sesc Saúde, Flávio Queiroz, apresentou o trabalho que é realizado pela instituição desde de 2013, com o Programa de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, e evitou a destinação inadequada no meio ambiente de mais de 6,71 toneladas de resíduos infectantes. “O tratamento ocorre por processo de incineração, reduzindo seu volume em 95% e eliminando 100% de seu potencial infectante, tornando os inofensivos quando destinados ao meio ambiente. Além desse processo, com essa sensibilização, implantamos mudanças que reduziram a produção de resíduos, como por exemplo, a eliminação da amálgama e do raio x convencional”, explicou.

Além das duas temáticas, o filósofo Heitor Simões, que participou do Fórum onde apresentou o livro infantil “Terra, a morada de todos nós”, que produziu para sensibilizar esse público em formação. “De forma lúdica quis aproximar o mundo infantil a essa consciência ambiental. Meu trabalho vai ao encontro da percepção de que temos que sensibilizar o público em formação”.

No final foi proposto uma roda de conversa com as três frentes de atuação, correlacionando a importância de cada uma no cumprimento de normas e no consumo sustentável.

Durante o Fórum foi realizada a premiação da frase mote da IV SIPAT “SEGURANÇA NO TRABALHO: NÃO BASTA CONHECER, É PRECISO VIVER!”, escrita pela professora do Sesc Horto, Fernanda Amaral.